29 abril, 2009

A RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO - Colaboração do Prof. Jayme Bueno



Homem Vitruviano
Leonardo da Vinci, 1490
Lápis e tinta sobre papel
34 × 24 cm
Gallerie dell'Accademia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

































A RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM E PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO
1 Introdução.
Hoje, quando vivemos novos tempos no modo de ver e de enfocar as diversas áreas do conhecimento, é comum ouvir-se falar de relação entre educação e linguagem, educação e literatura. O que, porém, não nos parece tão fácil é falar desse tema. Como tudo que envolve interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade, conceitos que surgem, transformam-se, ou mesmo desaparecem, e por isso intrincados e complexos, a aproximação entre educação e linguagem e, mais especificamente, entre educação e literatura, também apresenta esse mesmo grau de dificuldade.
Como sabemos pela própria história da educação, não foi sempre assim quanto a se falar do relacionamento entre os diferentes saberes. Cada área, cada disciplina se restringia, para não dizer que cada uma se fechava, em si mesma. O pensamento mudou, mudaram os paradigmas, porque mudou o mundo. As relações das pessoas e das organizações na sociedade agora são outras, diferentes de como eram. Vivemos, segundo dizem, a era da informação.
Esse movimento dialético de mudanças, porém, é de todos os tempos. Na literatura, os autores do Renascimento já poetizavam a mudança do mundo e a não mudança do que eles gostariam que mudasse: o sofrimento, a inconstância do amor, etc.
Vejam-se, como exemplos, estes versos de Camões (1980, v. 2, p. 257):
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades /
Muda-se o ser, muda-se a confiança: /
Todo o mundo é composto de mudança /
Tomando sempre novas qualidades. /
(...)
E, afora este mudar-se cada dia, /
Outra mudança faz de mor espanto, /
Que não se muda já como soía. /
Este artigo insere-se num ambiente de intercomunicação entre saberes, para participar da discussão do ensino e da aprendizagem da literatura. Enfim, é objetivo integrar-se ao estudo da problemática referente à relação entre educação, linguagem e produção do conhecimento.
Na prática, o presente estudo pode dividir-se em duas partes. Na primeira, colocam-se alguns aspectos da relação entre educação e linguagem, ou entre linguagem e educação, na dependência de essa relação ser vista da perspectiva de teóricos da educação ou sob o enfoque de lingüistas. Na segunda parte, apresenta-se a temática em um poema que inter-relaciona linguagem comumente tratada como científica com outra dita poética.
- O poema que será enfocado
A poesia moderna ou aquela surgida após os movimentos de vanguarda do Modernismo podem nos proporcionar, com mais propriedade, esse tipo de aproximação, o que resulta num estranhamento para usar o termo empregado pelos formalistas russos. (EIKHENBAUM, 1976). Segundo esses teóricos, era o estranhamento causado por certo tipo de linguagem, ou, como em alguns casos, a combinação de linguagens. Isso caracterizava a literariedade, ou seja, o ser literário, de um texto. No caso que será tratado é a aproximação ou a convivência de uma linguagem da área das ciências com outra mais conhecida em textos literários ou, especificamente, na poesia.
2 Educação e linguagem.
Barthes, na introdução de Elementos de semiologia, como fizeram os semiologistas e lingüistas de todos os tempos, enfatiza a importância da linguagem na “tradução” de todos os “objetos, imagens, comportamentos”, porque, segundo ele, “qualquer sistema semiológico repassa-se de linguagem”. É mais enfático ainda quando afirma: “o mundo dos significados não é outro senão o da linguagem”. (BARTHES, 1977 , p.12) . Hoje, quase um século após Saussure, pai da lingüística moderna, e mais de quarenta depois do estruturalismo francês são compreensíveis tais afirmações. O mesmo, porém, não acontecia naquelas épocas, em que os estudos lingüísticos se guiavam por orientações historicistas e evolucionistas dos denominados neogramáticos do século XIX. (DUBOIS et al., 1978 e LYONS, 1979).
Wittgenstein, com toda sua complexidade, parece tornar-se claro quando afirma que “o homem possui a capacidade de construir linguagens com as quais se pode exprimir todo sentido”. Para mim, ao menos, volta a ser altamente complexo quando esse mesmo autor escreve: “Toda filosofia é crítica da linguagem” (WITTGENSTEIN, 1994, p. 165). Em ambos os casos, porém, ressalta-se a importância da linguagem. No primeiro, reforça-se a idéia de que os sentidos, ou seja, os significados, no dizer de Barthes, são traduzidos, expressos, transmitidos e construídos pela linguagem; no segundo, parece tratar-se do fato de a linguagem fundamentar toda a filosofia. É a filosofia se fazendo na linguagem e com a linguagem, se esta minha interpretação estiver correta.
De modo geral, os autores, mesmo ao criticar os lingüistas, preocupam-se com a linguagem como meio de comunicação e, também, do aprender, do construir e do receber e transmitir o conhecimento. É o caso, por exemplo, de Bakhtin (1981, p. 106), que, ao procurar explicar pela dialética marxista o sentido da palavra, afirma: “Quando o filólogo-lingüista alinha os contextos possíveis de uma palavra dada, ele acentua o fator de conformidade à norma; o que lhe importa é extrair desses contextos dispostos lado a lado uma determinação descontextualizada, para poder encerrar a palavra num dicionário.” Logo adiante, no seu texto, declara: “Os indivíduos não recebem a língua pronta para ser usada; eles penetram na corrente da comunicação verbal; ou melhor, somente quando mergulham nessa corrente é que começam a operar.”
Tudo isso fica mais claro, quando ele reitera e amplia o campo do seu entendimento de língua: “Os sujeitos não ‘adquirem’ sua língua materna; é nela e por meio dela que ocorre o primeiro despertar da consciência.” (BAKHTIN, 1981, p. 108). É a língua - ele fala de língua materna em oposição a língua estrangeira - que forma a consciência, o próprio indivíduo, porém num ambiente de interação pelo produto da fala, a enunciação. Nas palavras do próprio Bakhtin (1981, p. 109), “A enunciação é de natureza social”.
Sabemos todos da importância que tiveram os estudos de Vigotski para educação. A teoria construtivista promoveu mudanças na escola, nos currículos, na forma de ensinar e, principalmente, contribuiu para o surgimento de novos paradigmas na educação. O construtivismo de Vigotski e de seus seguidores - Luria, por exemplo -, ao lado de outras teorias como o interacionismo de Piaget, alteraram profundamente o modo de ver todo o processo do ensino e da aprendizagem. (POZO, 2002; UCHÔA, 2005; CAMPOS, 2005).
Ao tratar da comunicação, uma das funções da linguagem e fundamental para a educação, Vigotski (2003, p. 7), após criticar teorias lingüísticas que se apoiavam apenas na idéia do signo (a palavra ou o som) como meio de comunicação, afirma: “um estudo mais profundo do desenvolvimento da compreensão e da comunicação na infância levou à conclusão de que a verdadeira comunicação requer significado – isto é generalização -, tanto quanto signos.”
O conceito de “generalização” ao lado do conceito de “simplificação”, Vitgoski aproveita, segundo sua própria declaração, do lingüista norte-americano Edward Sapir. Segundo este último, nas palavras do próprio Vigotski:, “o mundo da experiência precisa ser extremamente simplificado e generalizado antes que possa ser traduzido em símbolos.” (VIGOTSKI, 2003, p. 7).
Dessa forma, Vigotski (2003, p. 7-8) pôde concluir seu raciocínio: somente assim a comunicação torna-se, de fato, possível, pois a experiência do indivíduo encontra-se apenas em sua própria consciência e é, estritamente falando, comunicável. Para se tornar comunicável, deve ser incluída numa determinada categoria que, por convenção tácita, a sociedade humana considera uma unidade. Assim, a verdadeira comunicação humana pressupõe uma atitude generalizante, que constitui um estágio avançado do desenvolvimento do significado da palavra. As formas mais elevadas da comunicação humana somente são possíveis porque o pensamento do homem reflete uma realidade conceitualizada.
No campo mais específico da relação entre linguagem e educação, Rondal (1980, p. 73) declara: “La escuela (...) tiene por objeto el explicitar y elaborar por el lenguaje los principios y las operaciones que se aplican a los objetos (ciencias) y a las personas (humanidades).”. Pela afirmação, pode-se perceber a importância que a linguagem assume para a escola e, consequentemente, para a educação.
Concluindo este tópico, reitera-se o reconhecimento pelo que a linguagem representa e pelo papel que desempenha na construção e na comunicação do conhecimento na escola ou em outra instância em que se ensina e se aprende. Pedagogos, lingüistas, psicolinguistas, como é o caso do último autor citado, educadores de um modo geral dedicam-se ao tema e contribuem com suas pesquisas, seus estudos, suas propostas para o fortalecimento da relação que há entre linguagem e educação.
3. Educação, literatura e construção do conhecimento: uma problematização.
O que se disse sobre a relação entre educação e linguagem poderia se repetir no enfoque deste item, por se tratar a literatura de um produto da linguagem. Porém, como certa especificidade da linguagem, o texto poético apresenta características que lhe são próprias e que podem ser enfocadas de modo específico. É o que se busca fazer nesta parte do estudo.
O problema com que se depara é de como a literatura tem frequentado, ao menos teoricamente, a sala de aula, e que contribuição ela pode trazer para o ensino e para aprendizagem nos diferentes ramos do saber, mais especialmente nas áreas da Educação e de Letras.
Sabe-se por alguns estudos, principalmente dos programas de pós-graduação, que o texto literário, ao lado de textos de outros gêneros, vem aparecendo com bastante frequência, e não só nos cursos das duas áreas referidas, mas em diversas outras. Muitas vezes, tem a função apenas de ilustração, com frases de autores mais popularizados – não populares - como Fernando Pessoa, Guimarães Rosa, ou letras de compositores famosos. Chico Buarque talvez seja o exemplo mais claro dessa tendência.
Tratando da problemática de se trabalhar com o texto em sala de aula, há diversos trabalhos de mestrado, defendidos em diversos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Letras, ou afins. Eles se inscrevem no contexto da produção do conhecimento na área da educação, mas tendo como apoio o conhecimento e o estudo de disciplinas relacionadas com a linguagem, como é a proposta deste artigo.
4. Um poema, uma lição.
O poema Lição sobre a água, que será enfocado, é de autoria do poeta português António Gedeão, pseudônimo de Rômulo de Carvalho (Lisboa: 1906-1997). Licenciado em Ciências Físico-Químicas e em Ciências Pedagógicas, Rômulo de Carvalho, exerceu o magistério em Coimbra e Lisboa em diversos Liceus. Publicou inúmeros livros didáticos, como, por exemplo, Compêndio de Química para o 3.º Ciclo.
Como poeta, seu primeiro livro somente saiu publicado em 1956, embora desde a infância demonstrasse tendências literárias, que foram deixadas de lado até a maturidade pelo envolvimento com a ciência e com o magistério. Foi nessa primeira obra, Movimento perpétuo, que surge o pseudônimo Antônio Gedeão.
Dois anos após, em 1958, surge novo livro de poemas, Teatro do mundo. Transcorreram mais três anos para aparecer o novo livro, Máquina de fogo, e em 1967 lança Linhas de força, que, no ano seguinte, é incorporado aos outros três sobre o título Poesias completas: 1956-1957.
Na literatura, publicou ainda uma peça de teatro, RTX 78/24, em 1963, e uma coletânea de contos, A poltrona e outras novelas, de 1973. Publicou ainda poemas que versam sobre temas científicos.
Novamente, sua produção poética e literária é prejudicada pelas várias atividades científicas e culturais em cargos que passou a ocupar e, também, pela publicação de inúmeras outras obras de caráter científico e pedagógico. Embora não tivesse produzido obra literária, nem especificamente poética, de grande fôlego depois de 1968, nunca deixou de publicar poemas em revistas e jornais literários de Portugal. A sua marca na literatura, na ciência - quer como professor, quer como divulgador – e na cultura portuguesa são inegáveis. Foi uma vida de 91 anos voltada para a profissão de ensinar, que a exerceu como verdadeira missão, e voltada também para o desenvolvimento da ciência em Portugal, que está sempre presente na sua obra.
LIÇÃO SOBRE A ÁGUA - Antônio Gedeão -
Este líquido é água. /
Quando pura /
é inodora, insípida e incolor/
Reduzida a vapor /
Sob tensão e a alta temperatura, /
Move os êmbolos das máquinas que, por isso, /
Se denominam máquinas de vapor./
.
É um bom dissolvente. /
Embora com exceções mas de um modo geral, /
dissolve tudo bem, ácidos, bases e sais. /
Congela a zero graus centesimais /
E ferve a 100, quando à pressão normal. /
.
Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão, /
sob um luar gomosos e branco de camélia,/
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia /
com um nenúfar na mão.
(GEDEÃO, 1975, p. 244-5.) -
Este poema faz parte do livro Linhas de força, publicado inicialmente em 1967 e, posteriormente, incluído em Poesias completas, de 1968. Linhas de força é a obra poética considerada pela crítica a mais significativa do autor. Sena (1968, p. LXXVI), no estudo introdutório de Poesias completas, declara: “Tomara muitos publicar um livro como este, é óbvio. E alguns dos poemas dele são por certo dos melhores de António Gedeão”. Referindo-se especificamente ao poema que está sendo enfocado, e fazendo menção ao perfeito equilíbrio entre diferentes tipos de linguagens, o mesmo crítico afirma: “No terceiro dos livros, em dois poemas a síntese era perfeita entre a terminologia científica e a linguagem-padrão. Pode dizer-se que, neste 4.º livro tal síntese só se verifica – aliás admiravelmente – num poema (Lição sobre a água)” (SENA, 1968, p. LXXIV).
Iniciando o enfoque do poema pelo título, podem-se deduzir daí duas “lições”. Uma sobre o elemento água, o que reflete um posicionamento científico; e uma outra “lição” que se mostra sobre a água, ou seja, boiando sobre ela.
Na introdução do poema – as duas primeiras estrofes – são expostas em forma de lição, as características da água, numa descrição muito próxima daquela que é comum aparecer em textos de livros científicos. Aí estão presentes as qualidades físico-químicas da água. Há, portanto, uma identificação com o denominado discurso científico. É um texto descritivo, em oposição à segunda parte, claramente uma opção pelo texto narrativo. É o que se denominava discurso objetivo, aquele cujo sujeito seria a própria ciência e não um sujeito da enunciação, numa visão estruturalista, como a de Greimas (1976).
Essa semelhança se ressalta no momento em que se comparam as duas primeiras estrofes do poema com fragmentos de um texto de uma enciclopédia:
.
Este líquido é água. /
Quando pura /
é inodora, insípida e incolor. /
Reduzida a vapor, /
Sob tensão e a alta temperatura, /
Move os êmbolos das máquinas que, por isso /
Se denominam máquinas de vapor. /
.
É um bom dissolvente. /
Embora com exceções mas de um modo geral, /
dissolve tudo bem, ácidos, bases e sais. /
Congela a zero graus centesimais /
E ferve a 100, quando à pressão normal.
(GEDEÃO, 1975) -
A água pura é um líquido inodoro, insípido, transparente e quase incolor. (...) Suas propriedades físicas são usadas para a definição de muitas constantes físicas. Funde-se a 100,000º C, sob pressão de 760 mm Hg. (...) Tem grande capacidade calorífica; a 14,5º C, seu poder calorífico é de 1,000 caloria. (...) Reage com os óxidos básicos, formando bases; e com os óxidos ácidos, formando ácidos. Decompõe diversas substâncias, pela reação de hidrólise. Toma parte na constituição de muitos compostos, principalmente sais, formando os hidratos.
(ENCICLOPÉDIA BRASILEIRA MÉRITO, s.d.)
O diálogo entre os dois textos é facilmente constatado, o que nos mostra certa “postura científica” no texto poético de António Gedeão. Essa postura científica, como procedimento, ou com figura poética, apresenta-se de dois modos: primeiramente, pela descrição de um fazer científico - o descrever a água – e pela contraposição de um discurso aparentemente científico a um discurso consagrado tradicionalmente como poético.
Passando para a segunda parte do poema – a terceira estrofe -, que também traz em si uma “lição”, porém de caráter mais subjetivo, e agora não mais num tom de ciência, mas num estilo de aviso, de advertência, próprio dos ensinamentos. É como se chamasse a atenção para o perigo da água ou, então, considerar a água como um local e instrumento de suicídio. Assim, comentando o poema, interpretou Mattos (s.d.), com apoio em Braga. Formalmente, apresenta-se de modo diferente, com nova técnica na construção do texto. Recordando a estrofe, ela é a seguinte:
.
Foi neste líquido que numa noite cálida de Verão, /
sob um luar gomosos e branco de camélia, /
apareceu a boiar o cadáver de Ofélia /
com um nenúfar na mão.
(GEDEÃO, 1975) -
Aqui, como já se mencionou, o gênero é narrativo. As formas verbais - Foi e apareceu - denotam um tempo que passou, característica de tal gênero textual. Como na primeira parte, que se relacionava a um outro texto, o mesmo acontece com esta segunda parte do poema. Agora, a intertextualidade se dá não mais com um texto proveniente da ciência, mas da literatura, mais precisamente com um trecho da peça Hamlet, de Shakespeare:
.
Ao tentar pendurar suas coroas
nos galhos inclinados, um dos ramos
invejosos quebrou, lançando na água
chorosa seus troféus de erva e a ela própria.
(SHAKESPEARE, s.d.)
Mesmo levando-se em conta o fato de se tratar de uma tradução, a semelhança, neste caso, é mais de assunto do que de estruturação linguística. Há uma maior liberdade criativa por parte de Antônio Gedeão na construção do seu texto poético, pela própria natureza subjetiva da narração. Com isso, a ligação estrutural, formal, torna-se menos acentuada.
Com a reprodução e o enfoque do poema Lição sobre a água, de Antônio Gedeão, procurou-se exemplificar a profunda ligação entre educação e linguagem. Mais especificamente, buscou-se mostrar a ligação da educação a um tipo específico de linguagem, a linguagem poética.
5. Considerações finais
A relação entre educação e linguagem é clara, como se viu ao longo deste texto e, pode-se dizer, já pertence ao domínio do saber estabelecido. No ideário de teóricos da educação e de estudiosos da linguagem essa relação é ressaltada e valorizada como intrínseca e fundamental. Nesse contexto, procurou-se mostrar também o aproveitamento que o texto poético faz do tradicionalmente denominado discurso científico como um procedimento, ou seja, como figura poética.
O que pode ficar de “lição”, neste artigo, aproveitando a atmosfera poética do texto de Antônio Gedeão, é que a relação entre educação e linguagem e, especificamente, entre educação e poesia, ou linguagem poética, podem tornar-se elementos constitutivos da construção e da difusão do conhecimento. Portanto, e consequentemente, podem contribuir para o ensino e para a aprendizagem em todos os níveis da educação.

Prof. Jayme Bueno [Blog: http://jaymebueno.blogspot.com/ ]

3 comentários:

Taninha Nascimento disse...

Olá, Prof. Jayme!

É com muita satisfação e orgulho que venho agradecer - publicamente - ao seu e-mail contendo tão maravilhoso e rico estudo.

O sr., detalhadamente, explora questões de absoluta relevância para o atual cenário da Educação em nosso País.

O material, para ser comentado, exige também do leitor interessado atenção e cuidado; pois, na verdade, se trata de um hipertexto, onde seu corpo já remete o leitor à questão abordada; produz conhecimento a partir de conhecimentos outros.

Farei, hoje, um comentário que abrange uma problematização menor e maior ao mesmo tempo; que é a questão do CURRÍCULO em nossas escolas.

O sr. discorre sobre a questão da linguagem e produção do conhecimento numa perspectiva histórica. Passeando pelos textos científicos e poéticos nos mostra que, sobre educação e literatura, há - há tempos - uma possibilidade grande e absolutamente urgente de COEXISTÊNCIA SIGNIFICATIVA na sala de aula. E, isso, acima das disciplinas e ou áreas do conhecimento.

Quando aborda a questão das informações, o faz mostrando claramente a diferença entre informar e levar o educando a construção de seu conhecimento - que se dá internamente e nas interações sociais onde a linguagem é fator preponderante.

A educação dentro da abordagem piagetiana percebe que a interação entre o sujeito e o objeto, o leva ao conhecimento. Emília Ferreiro, entre outros pesquisadores e discipulos de Piaget, consideram que o conhecimento se dá através de acomodações e desestruturalizações de hipóteses feitas pelo indivíduo e Vygotsky acaba por complementar essa questão quando traz à tona o meio social no qual indivíduo está inserido e a sua LINGUAGEM.

Fundindo as duas teorias, chegamos ao sócio - interacionismo que, de fato, foi um divisor de águas na prática educativa de muitos professores.

Só que, na verdade, ainda estamos caminhando para alicerçar uma boa PRÁTICA docente. Ainda é um universo pobre, a sala de aula. E isso se dá por muitas e muitas questões - que vai da infra estrutura aos recursos humanos.

Tive a experiência de trabalhar aqui na SME do RJ, como professor orientador [5 anos] e coordenador pedagógico [10 anos]. O material teórico no qual nos pautamos é excelente e está alicerçado em "trazer o mundo" para a sala de aula. As diferentes liguagens literárias e artísticas; a mídia; a internet...enfim... Mas, ainda não demos conta de levar o Ensino Fundamental para o Ensino Médio, com a qualidade desejada...

Aqui, no RJ, estamos dialogando sobre o currrículo e é este diálogo que nos fará ir e vir nesse caminho da teoria/prática/ teoria. É o currículo que deve direcionar a prática. Toda a mudança de paradigma deve aparecer efetivamente nele e, dele sair efetivemente para a sala de aula.
Não adianta muito ficar só no papel. E, é na prática que vemos o quanto o papel da linguagem é importante. O quanto urge investir nesse processo desde a pré escola. E é na prática, também, que sentimos muitas dificuldades e até algumas impossibilidades. Entramos aqui em tantas outras questões que interferem...

Bem, o artigo é muito amplo em contúdo para ser abordadado em um comment só.

Muitíssimo obrigada, prof. Jayme!

Abraços,
Taninha

Jayme Ferreira Bueno disse...

Taninha,
esse seu comentário é um verdadeiro artigo. Por que você não o reestrutura e publica no seu blog ou em outro espaço. É muito importante falar de currículo, ainda mais em nossos dias, quando tantas teorias se voltaram para esse tema. É um assunto complexo, mas que vale à pena.
Obrigado por comentário tão aprofundado.
Um grande abraço,
Jayme

Taninha Nascimento disse...

Obrigada!!

Mas ainda há tanto a ser explorado a partir de seu artigo...

Esta semana foi complicada, não pude trabalhar nele. Mas o farei!

Grande abraço, prof. Jayme.

Taninha