23 outubro, 2010

A onipotência da tagarelice

Olavo de Carvalho [visite o site]
Diário do Comércio, 21 de outubro de 2010



Os signatários do recente manifesto de acadêmicos em favor da candidatura Dilma Rousseff apresentam-se, com modéstia exemplar, como "professores e pesquisadores de filosofia". Não ousam denominar-se filósofos porque no fundo sabem que não o são nem o serão jamais, mas também porque esperam que a mídia, por automatismo, lhes dê essa qualificação imerecida ao publicar a porcaria com o nome de "Manifesto dos Filósofos", conferindo-lhes o título honroso no mesmo ato em que os dispensa do vexame de atribuí-lo a si mesmos.



A filosofia surgiu na Grécia como um esforço de apreender e dizer o "ser" das coisas. A palavra "ser" implica o reconhecimento de uma realidade objetiva estruturada, inteligível, comunicável de homem a homem. O empreendimento filosófico voltava-se diretamente contra uma tradição de ensino para a qual o ser e a realidade objetiva não contavam, podendo ser livremente inventados pela força da palavra e da persuasão. Essa tradição denominava-se "sofística".



Decorridos vinte e cinco séculos, a denominação inverteu-se. O que se chama de filosofia em muitas universidades, especialmente no Brasil, é a convicção de que não existe realidade nenhuma e tudo é construído pela linguagem. Quem ouse praticar a filosofia no sentido que tinha em Sócrates, Platão e Aristóteles, é marginalizado como reacionário indigno de atenção. A sofística, com o nome de "desconstrucionismo", é o que hoje ostenta nos documentos oficiais o nome da sua velha inimiga, a filosofia.



Atribuindo psicoticamente à fala humana o poder criador do Logos divino, Martin Heidegger, militante nazista aposentado e um dos ídolos do establishment acadêmico, declara: "A linguagem é a morada do ser" – como se o ato de falar existisse fora e acima da realidade, e não dentro dela.



No mesmo espírito, Ernesto Laclau, no livro "Hegemonia e Estratégia Socialista" – talvez a proposta política mais influente nos meios esquerdistas das três últimas décadas – ensina que o partido revolucionário não precisa representar nenhum interesse social objetivo e nenhuma classe existente: pode criar esse interesse e essa classe retroativamente, pela força do discurso e da propaganda. O PT, que surgiu como partido de estudantes e socialites, gabando-se por isso de ser a voz das pessoas mais inteligentes (v. o estudo feito em 2000 pelo cientista político André Singer: http://epoca.globo.com/edic/20000717/brasil3a.htm), criou com dinheiro do governo a classe pobre que o apóia, e passou desde então a ser o partido dos desamparados e analfabetos, condenando os outros partidos como representantes da elite letrada. Na mesma lógica, a "democracia", segundo Laclau, é um "significante vazio", ao qual o partido revolucionário pode atribuir o sentido que bem lhe convenha. O PT designa com esse nome a aliança entre o governo e as massas alimentadas com dinheiro dos impostos, aliança montada em cima da destruição de todos os poderes intermediários, a começar pela mídia. Que essa aliança e essa destruição, historicamente, tenham sido a estratégia essencial de todos os regimes tirânicos do mundo (leiam Bertrand de Jouvenel, "Do Poder: História Natural do seu Crescimento"), é um detalhe irrisório: o "significante vazio" admite todos os conteúdos – com a vantagem adicional de que o eleitorado, ao ouvir a palavra "democracia" nas bocas dos próceres petistas, imagina que se trata de democracia no sentido tradicional do termo, porque não leu Ernesto Laclau e não sabe que eles a usam como palavra-código de duas caras, com um significado esotérico para os iniciados e outro, exotérico, para enganar os trouxas.



Não espanta que os servidores das duas maiores mentiras do século XX – o comunismo e o nazismo – tenham acabado por aderir maciçamente à teoria da onipotência criadora das palavras. Essas ideologias juravam basear-se numa descrição completa e objetiva da realidade, capaz de fundamentar a previsão acertada e científica do curso da História. Quando a História as desmentiu da maneira mais acachapante, os adeptos de ambas as correntes, em vez de penitenciar-se de seus erros e crimes, preferiram redobrar o blefe: apelaram ao desconstrucionismo e proclamaram que a realidade não existia mesmo, que tudo era uma questão do jeito de falar.



Também não espanta que, nessas condições, os inimigos de ontem se tornassem amigos, unidos no mesmo projeto sublime de trocar os fatos por uma ficção verbal eficiente. É por isso que tantos comunistas e socialistas amam de paixão os nazistas Martin Heidegger e Paul de Man. Nada une as pessoas mais apaixonadamente do que um projeto solidário de ludibriar todas as outras.



O Manifesto, por exemplo, declara que "Dilma Rousseff tem sido alvo de campanha difamatória baseada em ilações sobre suas convicções espirituais e na deliberada distorção das posições do atual governo sobre o aborto."



Em que consiste a "campanha difamatória"? Em dizer que a candidata petista defende a liberação do aborto. E a "deliberada distorção das posições do atual governo sobre o aborto"? Consiste em dizer que o governo quer liberar o aborto.



Desde quando publicar verdades bem documentadas é "campanha difamatória"? A lógica dessa rotulação é a mesma que o conhecido "professor e pesquisador de filosofia", João Carlos Quartim de Moraes, seguiu quando se gabou de ter cumprido pena de prisão pelo assassinato do capitão americano Charles Chandler e em seguida saiu posando de difamado ao ver que, iludido por essa declaração, da qual não tinha motivos para duvidar, eu o qualificava de assassino político condenado pela Justiça. Segundo Quartim de Moraes, acreditar em Quartim de Moraes é crime. Mudar de significado no dia seguinte é um dos mais deliciosos privilégios da mentira.



Do mesmo modo, quem assista ao vídeo http://www.youtube.com/watch?v=TdjN9Lk67Io, e ali veja e ouça Dilma Rousseff expressando seu apoio irrestrito à liberação do aborto, se tornará automaticamente um difamador se acreditar que ela disse o que disse.



No mesmo espírito do manifesto, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos jura: "O PNDH-3 não trata da legalização do aborto. Sua redação sobre o tema é: 'Considerar o aborto como tema de saúde pública, com garantia do acesso aos serviços de saúde'."



Todo leitor no pleno uso de suas faculdades mentais compreende imediatamente que "garantir o acesso ao serviço de saúde" é até mais do que legalizar o aborto: é sustentá-lo com dinheiro público. Mas compreender o sentido originário do texto é crime, porque, segundo a escola de pensamento dominante, nenhum texto tem sentido originário nenhum: o que vale é o sentido retroativo que a parte interessada lhe atribui quando vê nisso alguma vantagem. Os signatários do Manifesto foram educados na mentalidade "desconstrucionista" que apaga a realidade e o sentido para lhes substituir a "vontade de poder" (além de Heidegger, eles adoram Nietzsche) e a estratégia da tagarelice onipotente. É compreensível que, nessas condições, desejem ardentemente passar por filósofos, mas, no íntimo, se sintam um pouco inibidos de declarar que o são.

20 comentários:

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

TÃNINHA, VOCÊ ARRASOU!

OLAVO É UM CARA QUE PENSA (UM DOS POUCOS) QUE ARGUMTA DE MODO A DEIXAR O LADO CONTRÁRIO DESAMPARADO, SEM REAÇÃO. MAD AO ARGUMENTAR CONTRA O PT FOI DFE UMA CORAGEM QUE SÓ OS MUITO HONESTOS, OU MUITO BURROS TEM. MAS PERDE TEMPO, O PT É INVENCÍVEL EM DEBATE PORQUE MENTE COM UMA DISFAÇATEZ INACREDITÁVEL, E SE ALGUÉM O VENCE EM ARGUMENTOS, IMEDIATAMENTE É QUALIFICADO COMO "DE DIREITA" OU ELITISTA, O PT NÃO REBATE ARGUMENTOS COM ARGUMENTOS, VERDADES COM VERDADES. A ÚNICA VERDADE DO PT É O PT. DIA DESSES DILMA DISSE QUE O PT APOIOU O PLANO REAl E AJUDOU A IMPLEMENTÁ-LO. QUALQUER IDIOTA RODRIGUEANO SABE QUE ELA MENTIU DESCARADAMENTE, MAS NINGUÉM CONTESTA, POR SER O PT DO BEM, OU OUTROS SÃO O MAL.
DILMA FOI SIM AFAVOR DO AB ABORTO, LULA FOI CONTRA O PLANO REAL, E AO INVÉS DE RECONHECER O ERRO, MENTI.
OLAVO DE CARVALHO É ESPETACULAR, VOCÊ TAMBÉM.

BEIJOS

Tania disse...

Oi, Well!

Eu li este artigo através do Cronista Antonio Caetano que tem o site Café Impresso. Está no face. Achei muito, muito bom e compartilhei por lá e aqui.

Coisa feia dizer e negar, não? Não fazer e dizer que fez... e vice-versa... Complicado.

Acho que a verdade precisa caber em qualquer circustância. A verdade, simplesmente. Tipo: Voto em A por não querer B - ainda mais quando o voto é obrigatório. Que opção resta? Anular ou votar em branco? Isto, sim, é irresponsável - no meu entender, claro. Respeito quem pensa diferente.

Um abraço, Well.

Obrigada por comentar.

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

DESCULPE OS ERROS DE DIGITAÇÃO DO COMENTÁRIO ACIMA.
LEIO O OLAVO HÁ ALGUM TEMPO, E ACHO ELE O MAIOR PENSADOR (TALVEZ O ÚNICO) BRASILEIRO.
VEJA O QUE ELE FALA SOBRE ATEÍSMO. ELE DESTRÓI SEM PENA, COM UMA ARGUMENTAÇÃO DESCONCERTANTE O PENSAMERNTO ATEU.

KA disse...

Ola Taninha,

Vou colocar aqui o mesmo comentário que coloquei no outro:

Li o artigo do sr.Olavo de Carvalho, ou melhor DR.Olavo de Carvalho que não se conforma com o desempenho que Dilma vem apresentando. Ele esculhamba Martin Heidegger, Nietzsche, tentando esculhambar Dilma. Mas a sua erudição não me i...mpressiona porque não remete a nada. Os fatos estão ai embaixo de nosso nariz. O que interessa para nós, e acredito que você também concorda, é que haja uma política social mais justa, melhor distribuição de renda e que os brasileiros não fiquem de cabeça baixa para estrangeiros.

Não concordo com a argumentação desse dr.Olavo, mesmo porque, muito mais simples e direto é a opnião de um filósofo do dia a dia, uma pessoa que passava fome e diz que hoje tem o mínimo para a sobrevivência, no calor do nordeste, que dizia" "agora, não vou dormir com fome...". Ou ainda, um fato revelado por Leonardo Boff: "uma pessoa disse que a luz, levada até sua casa foi tão importante que ele nem apagava à noite..."

Esses são dois brasis: um do dr. Olavo, outro o nosso, que ele por certo, desconhece. Agora em termos de patifaria, não tem como comparar Serra e Dilma. Ele tem a ousadia de dizer que fez uma tomografia porque foi atingido por uma bolinha de papel...! E quem empobreu ainda mais essa campanha presidencial, foi ele mesmo ao transferir o eixo central do racional para o emocional. Ou não foi Dr. Olavo?

KA disse...

Aproveitando, Taninha, quero dizer que nem os emails da revista veja recebo mais, porque os bloquiei.

Deixando de lado nossas convicções, mas procurando agir com respeito e dignidade, não posso aceitar a farsa patrocinda por Serra, Globo e Veja.

A imagem montada pela Globo, que dedicou 7 (sete) preciosos minutos do JN, foi montada. Depois de analisadas as imagens quadro a quadro concluíu-se que não houve outro objeto, o qual JN, Veja e Serra queriam fazer crêr que houve. Talvez seja por isso mesmo que no dia seguinte, pesquisa da própria Globo mostrava Dilma, disparando.
Veja esse vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=VSQD2sRNBUc&feature=player_embedded

Ou ainda, veja como se produz uma farsa, comparável aquela de 1989, quando foi comprado um depoimento de uma ex-namorado do Lula, e a Globo editou o último debate, favorável a Collor.

http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2010/10/22/professor-desmoraliza-fita-adesiva-do-jn/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+pha+%28Conversa+Afiada

Acredito que nossa intenção, como a de muitas pessoas, é a mesma, ainda que seja por caminhos diferentes.
E só para lembrar: Sou radicalmente contra o aborto. De verdade! E não como Serra diz que é, mas faz!

Tania disse...

Oi, Ka!

Sobre a bolinha, de papel, de algodão ou seja lá qual tenha sido o objeto, não é a questão. A questão é a truculência mesmo. Os dois candidatos devem ter o direito de ir e vir, fazendo suas campanhas, sem passar por situações do gênero.

Sobre dizer algo e "desdizer" é vexatório. Colher os louros de outrem, mais vexatório ainda...

Fazer o que é de sua competência, de sua obrigação e ficar agindo como se fizesse um enorme e impagável favor, nem se fala...

Eu acho que a população menos favorecida e, o Brasil como um todo, não tem de baixar a cabeça para ninguém - nem de fora nem de dentro. Não é porque "se faz" o que se deve fazer que se pode justificar erros gravíssimos.

Gostei muito do texto e, se houvesse investimento sério e sem economias na educação, todos seriam capazes de compreendê-lo - para concordar ou discordar; não haveria diferentes, tão diferentes "Brasis". Se leva a Universidade para os interiores do país, onde os alunos não frequentam a escola; não se alfabetizam de fato. Mal assinam o nome para que não sejam taxados de analfabetos.

Na política, nada é favor. O "muito" que se fez ainda é pouco. Muito, mas muito mesmo foi o que escandalizou e decepcionou o povo brasileiro - que não é coitadinho, não; que não tem de ser eternamente grato, não. Levar, luz, água, saneamento básico, saúde, educação, dar mais empregos e elevar o poder de compra, é, na verdade, o mínimo; o básico. E tenho certeza que qualquer canditado que chegou ao segundo turno, pode continuar fazendo. Por esmola ou favor? Não! Por obrigação.

Tania disse...

Se o Serra é contra e faz, eu não sei. O que eu sei é que a tendência é um erro sempre querer justificar o outro. Isto é triste...

Bjs, Ka! Obrigada pela contribuição. Os vários pontos de vista só nos fazem refletir e crescer.

KA disse...

Taninha,

Concordo com você. Você está absolutamente correta. Abomino a violência, você também. Insisto: nosso fim é o mesmo; caminhos diferentes.

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

O KA ACHA O FHC UM LIXO E EU ACHO ISSO DO LULA. NENHUM DOS DOIS TEM RAZÃO.
MAS ELE FALOU UMA COISA NOVA, GENIAL. TANTO FHC COMO LULA SÃO ENDEUSADOS. UM MAIS, PELO POVO. OUTRO MENOS, PELA CLASSE MAIS ESCOLARIZADA.
E ME PAREC QUE ESSA JACTÂNCIA DOS DOIS (LULA E FHC) EM DIZER: EU FIZ ISSO, EU FIZ AQUILO SOA RIDÍCULO. SE OS GOBERNOS FHC E LULA FOSSEM TÃO BOM COMOACHAM OS PRESIDENTES, AQUI SERIA A SUIÇA DA SUÍÇA. NO BRASIL DE LULA E FHC TIVEMOS MELORAS, MUITAS, MAS É BOM LRMBRAR QUE O SUS É UM CAOS, GRANDE PARTE DE NOSSA GENTE MORA EM FAVELA E TEM MEDO DE CHUVA. NOSSA EDJCAÇÃO É DEPRIMENTE, E POR AI VAI.
SEJAMOS JUSTOSM QUEM DIZ QUE FEZ TUDO É LULA, FHC É MAIS MODESTO, SE GABA DO QUE FEZ. FOI O VIABILIZADOR POLÍTICO DO PLANO REAL, RESPONSÁVEL PELA ESTABILIZAÇÃO DE UM PAÍS QUE ERAA UM CAOS ECONOMICO.
LULA SE GABA PELO AVANÇO SOCIAL DE FATO HOUVE,MAS COM INFLAÇÃO ELE NÃO CONSEGUIRIA.
QUANTO A OLAVO DE CARVALHO, JÁ O LEIO A ALGUM TEMPO R RLE NÃO PRECISA DE MINHA DEFESA, MAS DEFENDO-O.
A ARGUMENTAÇÃO É PERFEITA, COM UMA ESTRUTURA DE PENSAMENTO BEM ARQUITETADA, DIFÍCIL DE COMBATER COM OUTROS ARGUMENTOS, ENTÃO O QUE NÃO PRESTA É ELE. SE É CONTRA O PT, É DO MAL.
O PT NÃO SE DEFENDE COM ARGUMENTOS, MAS COM A TENTATIVA DE DESQUALIFICAR O ACUSADOR.
A REVISTA VEJA NÃO PRESTA. ELA DENUNCIA O PT, ENTRE OUTRAS COISAS DE TER UMA IMPRENSA COMPRADA (OI, LUIS NASSIF, FLANKLIN MARTINS, E OUTROS)DIZENDO QUE A PT COMPRA JORNALISTAS, ROUBA, QUE LULA É O CHEFE DE UM QUADRILHA, ELA PODERIA SER COMBATIDA COM ARGUMENTOS LÓGICOS E QUE DESMORALIZASSEM ELA. MAS NÃO, TUDO O QUE O PT DIZ EM SUA DEFESA É: IMPRENSA GOLPISTA!
EU SOU POBRA, CRESCI NO NORDESTE, LI, LI UM MONTE DE LIVROS DE GÊNIOS UNIVERSAIS, NÃO DIREITISTA,MAS ACHO LULA O QUE TEM DE PIOR NA POLÍTICA.
PRA TERMINAR, LI "ASSIM FALAVA ZARATUSTRA" UMAS CICO VEZES, ACHO GENIAL, MAS COMO POESIA, OU ARTE DO BEM ESCREVER, COMO FILOSOFIA É PATÉTICO ENQUANTO OPINIÃO, E DEMONÍACO SE LEVADO A SÉRIO.
O SUPER HOMEM DO AMALUCADO FILÓSOFO QUE NÃO DECORO O NOME, É O MAL, É O HOMEM ABSURDAMENTE DESNATURADO, SEM AMOR A DEUS, SEM AMOR A NADA. O VAZIO DO SUPER HOMEM É DESTRUIDOR.
DOSTOIEVSKI COM SEU IVÂ KARAMAZOV, NOS FAZ VER QUE O HOMEM PODE ATE ADIMIRAR O O SUPER HOMEM, MAS NUNCA DEVE TENTAR SÊ-LO.
NIETZSCHE ESCREVIA LINDAMNTE MENTIRAS, O PT ESTÁ MUITO ABAIXO DISSO.
NIETZSCHE CONHECIA A NATUREZA HUMANA COMO POUCOS, MAS TINHA U CARATER DEFORMADO. ELE SE DIZIA CONTRÁRIO A JESUS. E AQUI NÃO TEM RELIGIÃO, NEM FÉ, MAS PALAVRAS. NENHUM SER VIVO QUE NÃO SEJA DOIDO OU PSICOPATA PODE SER ANTI-CRISTO, PODE SER ATEU, ACHAR QUE JESUS NNCA EXISTIU (AI É SÓ UM TOLO) MAS SEE CONTRA JESUS É SER CONTRA O AMOR, CONTRA A RAZÃO, CONTRA O BEM.

Tania disse...

Well,

quando você diz, com tanta simplicidade e honestidade"O KA ACHA O FHC UM LIXO E EU ACHO ISSO DO LULA. NENHUM DOS DOIS TEM RAZÃO."; o gênio é você! Então discorre em palavras com sentido completo, claro, amplo, e termina o texto reforçando a frase que separei.

Homi, rapaz... Ôxe: bravo!!

bjs!

Tania disse...

Ka,

nós aqui somos sonhadores, quase ingênuos. Mas nosso desejo é sim o melhor para a nossa gente; sem segundas intenções.

bjs.

KA disse...

Taninha, Welligton,

Somos sim sonhadores. Discutimos essas questões com a mais alta pureza, pode ter certeza disso. Não visamos lucro, não estamos vendendo nada, apenas tentando entender o que ocorre. Mas se vocês soubessem o que ocorre na cabeça de muita gente que se dedica a essa "política" deturpada, ficariam estarrecidos. Nunca dependi do poder público para viver e nem pretendo, mas tem gente que vende até a alma para aparecer ao lado de um político de destaque. Eu, ao contrário, quero distância.
Quanto a afirmação de que detesto FHC, não é verdade. Eu admirava-o, mas devido as atitudes nos últimos anos, comecei a rever isso. E quanto ao PT, não acho melhor que outros partidos não, apenas voto nele, como poderia votar em qualquer outro que conseguisse mobilizar as massas. Eu somente creio que se Serra viesse a ser presidente, haveria um retrocesso na política social do pais.
Abraços a todos.

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

KA,

HÁ UMA COISA QUE NINGUÉM NEGA, NEM EU NEM A VEJA. HOUVERAM MUITOS AVANÇOS SOCIAIS NO GOVERNO LULA, ISSO É INEGÁVEL. PALMAS PARA ELE.
MAS PORQUE LULA SATANIZA FHC?
COMPARA GOVERNOS EM TEMPOS DISTINTOS DESOSTAMENTE. SE FHC FOSSE LULA, DIRIA: QUANDO EU ASSUMI A INFLAÇÃO ERA ABSURDA, NÃO HAVIA POLÍTICA EM ÁREA NENHUMA, EMPRESAS INEFICIENTES E DEFICITÁRIAS, DESORDEM FISCAL, FALTA DE CRÉDITO, ENFIM, UMA CAOS. RECORRO AQUI A UMA METÁFORA BREGA, FHC PEGOU UM TERRENO ACIDENTADO, PLANOU ELE E FEZ O ALICERCE. LULA LEVANTOU AS PAREDES, COM BOM PRUMO, É VERDADE, ELAS ESTÃO ALINHADAS. O QUE IRRITA ENORMEMENTE É O FATO DELE SE ESQUECER QUE HOUVE UM PARA PLANAR TUDO E ALICERÇAR, E QUE NÃO SE LEVANTAM PAREDES SOBRE O NADA.
MAS A CASA NÃO ESTÁ PRONTA, LULA NÃO É CANDIDATO, NÃO PODE TERMINÁ~LA. A QUESTÃO AGORA É SABER QUEM DARÁ ACABAMENTO COM MAIS COMPETÊNCIA, SERRA OU DILMA.
EU VOTO EM JOSÉ SERRA, VOCÊ TEM CANDIDATO, É UM CARA DO BEM, ADMIRADO POR MIM, MAS VOTA EM QUEM NÃO É CANDIDATO. CADA UM VOTA EM QUEM QUER, MAS É BOM DIZER QUE SÓ UM TEM REALIZAÇÕES COMO ADMINISTRADOR, MINISTRO NÃO EXECUTA NADA, ISSO É CASCATA. PODE SUGERIR, NÃO EXECUTAR. VOCÊ PODED COMPARAR O GOVERNO LULA COM O DE FHC, MAS O GOVERNO DILMA, NÃO.
MAS VOTEMOS, ELEJAMOS QUEM SEJA, O QUE DEVE FICAR CLARO É QUE A AGRESSÃO SOFRIDA POR SERRA( COM BOLINHA DE PAPEL OU COM TIJOLO) DEVE SER CONDENADA, EXECRADA. O PRESIDENTE NÃO O FEZ. NUNCA OUVI FALAR QUE ELE FOSSE AGRESSIVO, E NÃO É, ELE COGITOU LIGAR PRA SERRA E SE SOLIDARIZAR COM ELE.
LULA DEVERIA TER FEITO ISSO.
LULA É UMA HISTÓRIA QUE FALA, UM SUCESSO PESSOAL ADMIRÁVEL, UM EXEMPLO DE PERSEVERANÇA E FORÇA. TEM O NOME ESCRITO NA HISTÓRIA AINDA ESTANDO VIVO. ENTÃO ELE RECONHEÇA QUE ERROU, E VÁ TOMAR CAFÉ COM FHC, ABRACE-O, RECONHEÇA MÉRITOS.

UM ABRAÇO EM VOCÊ, UM BEIJO NA TANINHA.

Tania disse...

Três vivas à diferença: viva! Viva! Viva!

Tolerância zero às verdades absolutas!

Bj grande, Ka!!!

Tania disse...

Bj, Well!

KA disse...

Welligton,
Somente hoje consigo escrever. Mais uma vez, você tem razão. Nem um nem outro reconhece o que o outro fez, isso é a marca da políca (com letra bem minúscula). Caso um diga que reconhece o que o outro fez, esse reconhecimento poderá ser usado contra o próprio, por exemplo, no horário eleitoral, em propaganda partidária. Essa é a merda. Dai fica esse fez, não fez.
Você diz que "a casa não ta pronta", e a Taninha diz que não é obrigação nenhuma atender as necessidades básicas do povo. Concordo plenamente. Não será somente o governo Lula, ou governo Dilma que irão resolver essa questão. Isso demanda tempo, tem que ir sendo construído tijolo a tijolo. Penso o seguinte: se hoje houve avanço com o modelo atual, -o qual está longe de ser o ideal- vamos mantê-lo e aperfeiçoa-lo. Não compensa correr o risco com Serra, que no Estado de São Paulo, nunca terminou o que começou, revelando que a única prioridade dele é mesmo um projeto pessoal: ser presidente do Brasil.
Por isso voto Dilma.
Abraços a todos.

(E que cada um tenha coragem de declarar seu voto e defender seu ponto de vista, como fazem vocês Welligton e Taninha)

Jayme Ferreira Bueno disse...

Prezados todos que se aprofundaram nessa discussão FHC versus LULA.
Como tenho declarado tenho posição formada e jamais votaria no PT, deixei para postar comentário após a realização do Segundo Turno.
O Wellington deixou clara a situação em que FHC encontrou o Brasil e aquela que encontrou o LULA.
1. O que seria do Brasil de hoje sem o Plano Real, o maior conservador de renda dos pobres. O que ganhamos ontem, podem manter hoje. Antes, o que se ganhava hoje, perdia-se amanhã com a inflação.
2. Por que será que cada brasileiro tem um celular? Antes de FHC não havia nem linha para telefone fixo. Chegava-se ao absurdo de termos de declarar no Imposto de Renda, para que a Receita Federal controlasse aquela "riqueza" que ávíamos adquirido.
3. E as "carroças" que comprávamos no início dos anos noventa. Eram Ford Escorts, Verona; Chevrolet Monza, Kadett; Fiat Prêmio, para citar algumas dessas carroças, inclusive sem direção hidráulica e sem ar condicionado. Esses carros todos sem nenhum equipamento de segurança. O que significava Câmbio Automático? O que era ABS e EBD? Poderão argumentar que pobre não compra esses carros. É aí que surge outro enganos. Os da Classe C - salário de R$ 1.200,00 a 4.500,00 aproximadamente (odiosa classificação das pessoas em classes)- hoje compram carros equipados e com financiamento em longos meses. Por que? Primeiro, pela estabilidade da moeda; segundo pela abertura do mercado brasileiro a montadoras e importadoras de carros.
4. Quemn teria estancado a quebradeira dos Bancos? Quem não deixou o brasileirto ver as suas economias virarem pó em falências reais ou "montadas"? "Maldito PROER", gritava uma aguerrida e ferrenha oposiçã, que muitas vezes se opunha ao governo, somente por opor-se, com atitudes agressivas que não visavam ao bem do país, mas ao desejo de impedir ações governamentais.
Tudo isso porém é passado. O Brasil de hoje é outro, mas é o mesmo que foi descoberto em 1500, e não um estranho Brasil descoberto em 2003, como pensam alguns lulistas e o próprio LULA. O Brasil teve antes governos como os de Juscelino e de FHC.
Respeitemos a opção política, filosófica, e qual outra seja. Procuremos ser tolerantes. Com nossas convições busquemos o melhor para esta grande terra admirada em todos os cantos da terra e por todos os povos.
Fico por aqui com um grande abraço a todos.
Jayme

Tania disse...

Aplausos, prof. Jayme!

Obrigada e grande abraço.

Que seja conforme o resultado das urnas. Viva a democracia! Salve o Brasil!

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

O PROFESSOR CONCORDA COMIGO!
EU FIZ UM COMENTÁRIO NO BLOG DELE SOBRE JOÃO CABRAL DE MELO NETO, QUE FOI INCRÍVEL. NÃO POR BEM FEITO, MAS POR USAR ARGUMENTOS QUE EU JULGAVA CONTRÁRIOS AOS DO PROFESSOR, MAS QUE AO FIM DAVAM-LHE RAZÃO. MAS NUNCA O OLHEI COM O RECEIO QUE SEMPRE TENHO COM RELAÇÃO AOS QUE ESTÃO ACIMA DE MIM EM CONHECIMENTO (QUASE TODO O PLANETA) POR SEMPRE VER NELE O BOM PROFESSOR, O QUE QUER ENSINAR, NÃO O QUE QUER MOSTRAR QUE ENSINA. O QUE QUER TRANSMITIR CONHECIMENTO, NÃO MOSTRAR QUE CONHECE.

ABRAÇOS AO MESTRE.

Jayme Ferreira Bueno disse...

Prezado Wellington,
Talvez até pela idade, já não me recordava desse seu comentário. Porém, agradeço sinceramente o comentário daquela época e esta referência presente.
Sem nenhuma demagogia ou falsa modéstia, sempre pensei que ninguém está acima de ninguém. Por qualquer circunstância da vida (talvez até pela leitura dos clássicos - gosto muito dos epicuristas, nunca aceitei a ideia de que alguém esteja acima de outros. Cada um possui o seu "saber" seja ele adquirido, seja espontâneo pela própria condição de ser pensante.
Eu tantas vezes concordo, mas também tenho discordado, principalmente nos últimos tempos.
Nunca fui entendido, ou engajado em correntes políticas partidárias, mas sempre agi movido por um conceito de nacionalismo esclarecido, sem querer abraçar as tendências políticas, muitas vezes, politiqueiras, do momento em que se vive.
Um grande abraço,
Jayme